25 fevereiro 2014

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Estou colocando esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia, dentro do possível rsrs.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...
                                            No azul do Vinho

                                               Capítulo 43

Phina passou o dia com eles, na fazenda. A colheita começaria no dia seguinte.
Eles insistiram para que Phina se hospedasse na fazenda, mesmo que fosse mais simples que o Hotel, onde ela estava. Mas Phina não queria incomodá-los e achou melhor ficar no Hotel e eles entenderam.
No outro dia bem cedo, Phina foi para a colheita de olivas.
Estavam todos se preparando, muitos dos que estavam lá, Phina ainda não conhecia e sr. Giuseppe a apresentou e disse que ela veio do Brasil, somente para a colheita, e ela riu.
Phina estava tão feliz, não entendia como aquele trabalho tão cansativo, onde tinha que ficar no calor, subia e descia das escadas, a deixava tão tranquila, livre, não que ela não gostasse de seu trabalho de arquitetura, mas ali eram suas férias, ficar no meio daquelas pessoas a deixava plena.
O sino tocou, e todos sabiam que o almoço estava sendo servido, deixaram tudo e foram para debaixo da arvore, que Phina tanto amava, para comerem todos juntos. Phina parou e ficou olhando, era tanta gente falando ao mesmo tempo, mas ela sorria, seus olhos estavam iluminados e sr. Giuseppe via isso em Phina, e foi até ela e a abraçou, e disse a ela, que raramente tinha visto, tanto amor nos olhos de uma pessoa, quando estava trabalhando e uma lágima desceu pelo rosto, enrugado pela idade, e ela o beijou na testa, com os olhos marejados.  
Voltaram para a colheita, e a tardinha com o sol deixando a lua e as estrelas enfeitarem o céu, Phina voltou ao Hotel, cansada sim, mas feliz, ficou na hidro por horas e finalmente saiu e pediu que a servissem no quarto. Dormiu tranquilamente.
E na manhã seguinte, lá estava ela de novo para mais um dia de trabalho.
E na hora do almoço, todos novamente reunidos debaixo da frondosa arvore, quando uma camionete chega buzinando. E quem desce? Bruno, quando Phina o viu seu coração disparou e imediatamente olhou para o banco do acompanhante, esperando que Julie descesse, mas ele estava sozinho, e Phina pensou, ela não gosta do campo, de ficar no meio das plantações.

                                             Capítulo 44

Sr. Giuseppe e dna Flora foram ao seu encontro, o abraçaram, estavam muito felizes com a presença de Bruno ali. Phina ficou cabisbaixa, tentando se esconder, para que ele não a visse, mas foi em vão.Sr. Giuseppe o trouxe na frente dela e disse, - guarda chi c'è Bruno (olha quem está aqui Bruno), e ela se levantou e o encarou e os dois se cumprimentaram friamente.
Lei è venuto a raccolta (Ela veio para a colheita), disse sr. Giuseppe ,È anche arrivato Bruno (você também veio Bruno)?
- Sim claro, respondeu Bruno no susto, pois seu olhar estava fixo em Phina, seus olhos se encontraram com os dela, e para os dois o tempo parou e só eles estavam ali. 
- Não sr. Giuseppe, ele não pode ficar, pois alguém o espera no hotel, não é Bruno?, disse Phina demonstrando irritação.
- Não, posso ficar o tempo que quiser, disse ele.
E voltaram à colheita, e Bruno os acompanhou. Ele e Phina se olhavam entre as plantas, entre uma subida e outra na escada, quando de repente, ouviram um barulho de galhos quebrando e um grito de mulher, e todos correram.
Phina estava no chão desacordada, os galhos que ela colocou a escada, quebraram e a escada caiu, derrubando-a. Imediatamente Bruno a pegou nos braços, e a levou para a casa, e sr Giuseppe ligou para o médico, amigo deles que estava alguns minutos dali.
Bruno pediu para dna Flora uma bacia com água morna e uma toalha, e ficou colocando na testa de Phina, limpando delicadamente seu rosto, como se estivesse lhe fazendo carinho. O médico chegou e a examinou, e disse que ela respirava bem, mas não tinha acordado, ela precisava ser levada ao hospital rapidamente, pois precisava ficar na observação e tirar raio X, para saberem se não tinha quebrado nada.
Bruno a pegou e colocou na camionete e saiu com tudo, e sr. Giuseppe, dna Flora e um de seus funcionários foram em outro carro para o hospital.

Continua...

Abraços e até mais...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu recadinho é muito importante.
E muito obrigada pela sua visita!!!
Silmara