26 novembro 2013

Como fazer mudas de Orquídeas - Reciclagem

Olá Meninas!!!

Amo orquídeas, já fiz mudas de várias maneiras, mas umas morrem, outras não florescem.
Assisti uma reportagem, com um produtor de orquídeas, resolvi testar o método dele, mas aproveitando e fazendo reciclagem.

Ele ensinou, usar tipo fandangos de isopor, então pensei, as bandejas de frios, legumes ou carnes de isopor, poderiam substituir e fiz assim:


Cortei em pedaços, não muito pequenos.


As pedrinhas ( seixos). Detalhe, não gosto de usar luvas, para mexer nas plantas, rsrsrsr.

Coloquei o isopor e as pedrinhas (seixos) misturados.


A argila expandida, o produtor não disse pra colocar, mas o pessoal da floricultura onde comprei, disseram que eles usam, e fica melhor ainda, pois ela deixa as raízes mais fresquinhas.



Aqui cortei a muda e limpei as raízes velhas e plantei, amarrei com fio fino,para que muda ficasse fixa.




E coloquei este adubo próprio para orquídeas, dissolvi 1 colher de chá em 1 litro de água e molhei bem, não usei tudo em um vaso, fiz varias mudas.




Agora vamos esperar, vou postando para acompanharmos se este método funcionou.
Espero que tenham gostado.

Abraços e até mais.....

25 novembro 2013

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!!

Vou colocar esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...

                                   No Azul do Vinho

                                     Capítulo 33

No caminho de volta Bruno começou a falar: - O que há com você, num momento sinto você apaixonada por mim e no no outro você parece me odiar, o que está errado?
- E a Julie? você esqueceu que a apresentou como sua noiva?, disse Phina com raiva.
- Bem, começou ele, nós já namorávamos antes de eu ir para Itália, mas eu já não queria continuar, Julie é uma excelente pessoa, mas é muito mimada, e quando soube que eu viajaria para Itália, mas não a tinha incluído na viagem, terminou, e pra mim foi um alívio, não estava aguentando mais continuar com aquele relacionamento, pois sabia que não a amava e nem ela me amava.
Parou a pickup novamente, pegou nas mãos de Phina e continuou: - Jamais teria ficado com você, estando com outra pessoa, não suporto traição e foi isso que me fez deixar de gostar de Julie, alguns meses antes de eu ir viajar, o gerente da Fazenda, veio me buscar, por que estava com problema nos maquinários da Vinícola, e quando entramos demos de cara com Julie se agarrando com um turista, estavam em minha propriedade, saí de lá, e não queria mais saber dela, como nossos familiares são amigos, e ela fez todos acreditarem que tinha uma boa desculpa, mas pra mim acabou naquele momento, enfim voltamos, mas nem conseguia mais olhar direito pra ela, e quando marquei a viajem nem avisei, e quando ela ficou sabendo, terminou.
Eu nunca teria ficado com você, se tivesse um relacionamento sério com alguém. E quando voltei, estava tão desolado, e contei aos meus pais o motivo, contei a eles sobre nós, e Julie apareceu toda arrependida e nos reatamos, mas quando a apresentei como noiva, queria te deixar com raiva.
Phina respirou fundo e disse: - Bem, ela parece ter acreditado em você, como vai resolver agora?

                                      Capítulo 34

Vou terminar com ela, e assim poderemos viver a nossa história, e se beijaram novamente.
Conversaram, riram e até fizeram alguns planos. De repente um barulho forte e a pickup deu um salto para frente, era Julie com a pickup de seu pai, batendo na traseira da pickup de Bruno.
Ele desceu da pickup, gritando: - O que está fazendo, está ficando louca?
E Julie continuava a bater e gritava transtornada: - Foi essa mulher que tirou você de mim?
Phina conseguiu sair da pickup correndo e ficou longe alguns metros, não tinha idéia do que aquela mulher era capaz de fazer.
- Pare já com isso, Bruno gritava tentando abrir a porta da pickup e tirara as chaves do contato. E Julie gritava e parecia estar bêbada, e continuava batendo na pickup de Bruno. Ele conseguiu tirar as chaves e abriu a porta, tirando-a para fora. Bruno ligou para os pais de Julie e contou o ocorrido, ligou para seus pais também e pediu que trouxessem outro carro, para ele levar Phina ao hotel.
Phina estava assustada, se manteve no lugar, não queria arrumar mais problemas com Julie, mas Julie estava indo em sua direção, mas foi impedida por Bruno, e ela se agarrou a ele, e quase balbuciando de tão bêbada falou:
- Eu te amo, o que essa mulher fez com você, porque me trocou por ela?
E chegaram os pais dela e os de Bruno, e ficaram perplexos com o incidente, o pai de Julie disse que pagaria todos os prejuízos.
Dna. Maria Clara, correu para ver se Phina estava bem, abraçou-a para acalma-la e pediu que Bruno a tirasse dali e a levasse de volta a casa deles e lhe fizesse um chá para acalmá-la.

Continua...

Abraços e até mais...


No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Vou colocar esta descrição antes das postagens, pois algumas amigas estão me perguntando, de que livro estou tirando as postagens rs, e sou mesma que escrevo, se tivesse tirando ou me inspirando em algum livro, colocaria aqui com certeza, como sempre faço em minhas postagens. 
Como vocês sabem amo escrever, e há algum tempo estou com muita vontade de escrever um romance, e eis que comecei, e gostaria de saber a opinião de vocês nos comentários, ok?
Vou postar dois capítulos por dia.
Não sou escritora, nem sei se este escrito pode ser chamado de livro, de um romance, mas para mim é uma obra rsrs, e me faz muito bem expressar estas estórias e quero compartilhar com vocês.

Continuando...

                                    No Azul do Vinho

                                       Capítulo 31

E Phina então concordou, se despediu de dna. Maria Clara e do sr. Joaquim, agradeceu a eles, e disse que os esperava em São Paulo.
Ela foi em silêncio, observando a escuridão da estradinha, quando de repente,
Bruno saiu daquela estrada e ela se assustou: - onde estamos indo? É outro caminho, porque você saiu da estrada principal.
- Quero te mostrar uma coisa, disse ele.
E foi subindo por uma estradinha, que ia até o alto do monte, de lá a vista era maravilhosa. Ele parou a pickup e desceu, e ela também desceu, ficou maravilhada, com a visão do vale iluminado pelas cidades, pelas fazendas, ali onde estavam, somente as estrelas e a lua um pouco escondida entre as nuvens os iluminavam.
- Gostou? disse Bruno, que já a observava, mas nem percebeu, pois estava envolvida olhando tudo.
- Sim, disse ela de sobressalto, é muito lindo, obrigado por compartilhar esta vista maravilhosa comigo.
- Sempre que quero me lembrar da Toscana, venho até aqui, falava ele com a voz emocionada, você é a primeira pessoa que trago aqui.
- Mas e Julie, você ainda não a trouxe aqui?, disse Phina irônica.
- Ela não gosta da natureza, ela é bem urbana , mas nem é por isso, não a trouxe por que este lugar é muito especial.
Phina sentiu um frio subir pela sua espinha, enquanto ele falava, ela o interrompeu: - bem acho melhor me levar, esta ficando tarde.

                                     Capítulo 32

- Phina, porque você tem esse comportamento, sempre quebra o momento, disse ele irritado.
- Como você quer que eu reaja, estou aqui, porque te procurei por todos este meses, estou tentando saber qual seu sobrenome, e te encontrei, e você está noivo, e só fazem seis meses que tivemos um flerte, que par mim foi muito mais que isso, foi muito especial te conhecer e agora te reencontrar, disse ela com a voz embargada.
- Você me deixou na Itália, foi embora sem dizer nada, nem um recado, o que queria que eu pensasse, falou ele com a voz alterada, te procurei mas não consegui nenhuma informação, alias você não me disse quase nada sobre você.
Ela estava de costas para ele, olhando par o vale, tentando esconder as lagrimas que rolavam em seu rosto.
Ele se aproximou e a virou e a beijou tão apaixonado, e ela nem reagiu, se deixou levar por aquele momento, pela paixão que estava sentindo por aquele homem, não queria pensar que ele era noivo.
Bruno também se deixou levar, não fez questão de esconder que estava apaixonado por ela, e quando se olharam os olhos do dois brilhavam, como as estrelas que iluminavam aquele lugar.
 Se abraçaram, como se não quisessem mais se separar, mas Phina lembrou que aquele homem era comprometido, e o empurrou, novamente ela quebrou o momento, e Bruno fechou a cara, e entrou na pickup.

Continua...

Abraços e até mais...


21 novembro 2013

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!!

Continuando...

                                 No Azul do Vinho

                                    Capítulo 29

Voltaram e já era quase hora do jantar, o tempo passou muito rápido.
Julie os recebeu na varanda, dizendo: - Que bom que você vai jantar conosco Phina, já que veio de São Paulo, e sorriu.
- Não, não posso tenho que voltar ao hotel, pois amanhã de manhã volto pra São Paulo, estamos com muitos problemas no escritório, só queria conhecer os parreirais e o local onde Bruno desenvolveu aquele vinho tão bom, disse Phina bem segura.
- Bem, é melhor ela ir, pois como disse tem que trabalhar, falou Bruno irônico.
- No que você trabalha, perguntou o sr. Joaquim.
- Sou arquiteta, temos um escritório em São Paulo, e temos algumas Construtoras parceiras.
- Você só faz obras em São Paulo?, e continuou Julie, ela poderia fazer o projeto da nossa casa, não é amor?
Pensou Phina, é só o que me falta, fazer o projeto para mais um homem que passou pela minha vida: - Não, fazemos só em São Paulo, respondeu rapidamente.
Sr. Joaquim os chamou para entrarem. E lá foram eles, Phina tinha que aguentar aquela situação por mais um tempo.
E finalmente ao entrar conheceu a mãe de Bruno, a sra Maria Clara, que a recebeu de braços abertos, com um sorriso maravilhosos, pronta para lhe dar um abraço caloroso, muito amável, uma senhora muito bonita, cabelos prateados em meio aos fios castanhos claros, muito bem arrumados em um cok, bem trajada com um vestido de corte perfeito para sua idade: - Esta é a moça brasileira da premiação, que linda, você a descreveu perfeitamente Bruno, estamos muito feliz em recebê-la em nossa casa, vocês poderiam ir até o hotel e pegar as bagagens dela, para que ela fique aqui, não acham?
Sr. Joaquim concordou, Julie e Bruno não se manifestaram.
- Fico lisonjeada, o prazer é todo meu de conhecê-los, obrigada por tudo, mas vou embora amanhã bem cedo, não convém eu vir para cá, falou Phina encantada com a mãe de Bruno.
- Mas da próxima vez, nós queremos que fique aqui, você no deve isso, disse sr. Joaquim bem feliz.

                                        Capítulo 30

Durante o jantar, foram muitas gargalhadas, dna Maria Clara a fez falar, como ela e Bruno tinham se conhecido na Itália, ela ficou sem jeito, pois não sabia o que Bruno lhes contou, falou bem resumido, mas dna Maria Clara e sr. Joaquim, foram acrescentando os fatos e até falaram da colheita das azeitonas, a acharam muito corajosa e admirável.
Julie os interrompe: - Bruno quer comunicar a vocês nossa decisão, não é amor, querendo ser o centro das atenções.
Ele sobressaltou e disse; - Julie não é a hora pra isso, falou rudemente, depois conversamos.
Mas ela não se contentou; - Então falo eu, disse parecendo uma menina mimada, vamos marcar a data do nosso casamento, não é Bruno?
Ele ficou sem graça, seus pais olharam em desaprovação, e Phina queria poder não estar ali naquele momento, Bruno engoliu e disse: - Ainda não conversamos direito sobre isso, temos que amadurecer esta idéia.
Julie levantou-se brutalmente da mesa, e saiu correndo e chorando, e todos ficaram perplexos, mas Bruno nem se mexeu, e só ouviram ela saindo com o carro.
- Nos desculpe Phina, o que você vai pensar de nós, esta menina é muito mimada, disse dna Maria Clara, com um olhar fechado para Bruno.
- Não se preocupem, ela ficou nervosa, falou Phina tentando acalmar a todos, vou ligar pro sr. Carlos vir me pegar, já combinei com ele, com licença, e se afastou da mesa.
- Bruno vai te levar, não é Bruno, é minimo que podemos fazer por você, disse dna Maria Clara com a concordância do sr. Joaquim.
- Não quero incomodar, por favor, eu já combinei com o sr. Carlos, disse Phina.
- Eu vou te levar, disse Bruno firmemente. E todos concordaram.

Continua...

Abraços e até mais.... 


No Azul do Vinho

Olá Meninas!!!

Continuando...

                                   No Azul do Vinho

                                      Capítulo 27

Quando entraram na fazenda, o coração de Phina acelerou, ela estava muito nervosa, feliz e ansiosa.
Sr. Carlos parou o carro e abriu a porta para ela, e um senhor veio até eles, os dois se cumprimentaram como velhos amigos, e ele o apresentou a Phina: - Este é o meu velho amigo Joaquim, pai de Bruno. E virou-se para sr. Joaquim e disse: - Esta é Phina, ela disse que conhece Bruno, estava na premiação dele na Itália.
E o sr. Joaquim a cumprimentou gentilmente e calorosamente, e disse: - Você é que prestigiou Bruno, ele falou de você, é um prazer conhecê-la!, se despediram do sr. Carlos e entraram no galpão, onde tinham muitos turistas, degustando vinhos, doces, queijos e suco de uva, o sr. Joaquim perguntou o que ela gostaria de tomar, e ela apontou para o suco de uva, pois amava tomar este suco. Ele a serviu, e pediu que ela aguardasse um pouco, iria chamar Bruno, pois ele estava terminando o almoço.
Phina não conseguia disfarçar, estava ansiosa, olhava as fotos antigas da família, que estavam no mural, amava todo aquele ambiente rústico, mas ao mesmo tempo acolhedor.
- O que você faz aqui?, falou Bruno bem hostil, tirando-a totalmente de seus pensamentos.
- Olá como vai, falou ela gentil, como assim, achei que você merecia uma explicação, eu tive que voltar as pressas, e não te deixei recado explicando, falando indignada com o jeito grosseiro de Bruno.
- Na Itália foi um lance de viajem, nada mais que isso, você já deve estar acostumada a isso, não?, falou Bruno irônico.
- Quem você pensa que sou, claro que não estou acostumada a este tipo de flerte, por isso estou aqui, falou Phina com a voz alterada e pensou: o que este homem está pensando, não sou aventureira e continuou: - Eu estava vulnerável sim, mas pra mim significou muito os dias que passamos juntos, esperava que pra você também, pelo menos achei que fosse sincero.

                                     Capítulo 28

- Amor, uma voz veio da outra porta do galpão, seu pai disse que tinha uma turista que estava na premiação e é sua fã?
Quando Phina olhou para ela, deparou com uma mulher linda, de olhos azuis, cabelos loiros claros, pele de boneca, perfeita, e ela o chamou de amor, era comprometido, pensou ela.
- Sim, esta é a Phina, e olhando para Phina disse:- Minha noiva Julie.
Elas se cumprimentaram. E Phina disse: - É um prazer conhecê-la, é uma pena mas tenho que ir, vou visitar outros lugares, apenas queria dar um oi para o Bruno.
- Não de jeito nenhum, veio dizendo sr. Joaquim, você prestigiou nosso filho, quando nós não pudemos, você fica pro jantar, não gostaria de conhecer os parreirais, pelo que Bruno nos contou você ama ficar no meio das uvas, das oliveiras e riu.
Enquanto ele falava Phina pensava: ele comentou sobre mim, e falou: - Sim, eu amo, é tão lindo as cores, o perfume, o sr. teria um chapéu?
E o sr. Joaquim disse todo feliz: - Claro vou pegar, venham, chamou Bruno e Julie. - Não o senhor sabe que odeio mato, não gosto de ficar no meio das plantações, disse Julie. - Sim eu vou papai, falou Bruno.
E foram passear, Bruno sempre ao lado deles, olhava pra ela sempre de maneira profunda, ela sentia seus percorrendo seu rosto. Riam muito, sr. Joaquim ficava orgulhoso em mostrar tudo para ela, mostrou as espécies de uvas que Bruno misturou, para chegar no vinho da premiação, falava com muito orgulho. Phina estava se divertindo muito e eles perceberam isso, ela colheu uvas e as experimentou, sr. Joaquim achou o máximo, porque normalmente as pessoas que visitam e colhem as uvas, querem lavá-las antes experimentar e Phina nem ligou, parecia fazer parte daquele cenário.
Ela sentia o olhar de Bruno, e toda vez que olhava pra ele, os seus olhos estavam brilhando. 

Continua...

Abraços e até mais...

19 novembro 2013

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!

Continuando....

                                  No Azul do Vinho

                                       Capítulo 25

Passaram-se alguns dias do incidente com Pedro. Cris entrou na sala de Phina sem bater, o que não era comum, estava toda eufórica e sorrindo: - Ligação pra você da Itália, falou tão rápido que Phina mal entendeu.
Phina atendeu e era Alicia, a recepcionista do hotel e sobrinha do sr. Genaro e do sr Giuseppe, dizendo que o sr Giuseppe conseguiu o sobrenome de Bruno, era Bonazzi e ele morava no Rio Grande do Sul, não sabia a cidade apenas que sua família tinha uma vinícola na região dos vinhos, ela disse que foi difícil conseguirem informações no hotel, um funcionário muito amigo deles é que conseguiu conversando com outros funcionários.
Phina a agradeceu e pediu que agradecesse toda a família e os abraçasse por ela, e que assim que pudesse os visitaria.
Finalmente ela tinha alguma pista de Bruno, para começar a procurá-lo. Começou a pesquisa imediatamente, achou o nome Bonazzi em Bento Gonçalves, encontrou o numero de telefone de uma sra. Antonieta Bonazzi, e ligou. A própria sra. Antonieta atendeu, Phina lhe explicou mais ou menos a sua história, e percebeu que a senhorinha do outro lado se emocionou, e lhe disse que Bruno era filho de seu sobrinho neto sr. Joaquim, o coração de Phina acelerou, e parecia que ia sair pela boca, ela disse que eles tinham a vinícola em Monte Belo do Sul, era bem próximo dali. Phina a agradeceu muito, desligou o telefone e chamou Cris: - Marque minhas passagens e hotel o mais próximo que conseguir de Monte Belo do Sul, no Rio Grande do Sul, fica bem próximo a Bento Gonçalves.
- Você conseguiu?, Cris falou toda eufórica.
E Phina balançou a cabeça afirmando.

                                         Capítulo 26

Cris marcou as passagens para o dia seguinte as 7 hrs da manhã, para Caxias do Sul, já que em Bento Gonçalves não tem aeroporto, e a hospedagem na Pousada Castello Benvenutti, em Bento Gonçalves. Phina teria que locar um carro para ir de Caxias a Bento Gonçalves, ou encontrar um taxi que fizesse este trajeto. 
Phina embarcou empolgada, mas ao mesmo tempo com coração apertado, não sabia se iria encontrar Bruno e nem como ele reagiria ao vê-la, já que ela partiu da Itália, sem notícias.
Chegando em Caxias, conseguiu um taxi para levá-la até Bento Gonçalves, onde se hospedaria. Chegou na Pousada, foi ao quarto, deixou suas malas e pediu um taxi para levá-la a Monte Belo.
Ela teve a impressão de estar na Itália, tão semelhante eram as paisagens, com todos os vinhedos, o perfume, ela se perdeu em seus pensamentos, e nem se deu conta que tinham chegado em Monte Belo, uma cidade linda, foi uma pena Cris não ter conseguido hospedagem ali, pois era época de colheita, e sendo rota turística, ficou difícil.
Bem estava ali, agora precisava saber onde ficava a vinícola da Família Bonazzi. Na praça onde o taxi que a trouxe parou, viu uns senhores jogando xadrez, e perguntou a eles, se conheciam os Bonazzi. E um dos senhores lhe disse que o taxi do sr. Carlos, estava acostumado a levar turistas até lá.
Ela aproximou do sr. Carlos e pediu que a levasse até a fazenda dos Bonazzi, e ele lhe perguntou se era turista sozinha ou se perdeu do seu grupo.
Phina disse que conhecia Bruno, estava na premiação dele na Itália.
E sr. Carlos, era todo elogios para Bruno, disse que ele e o pai de Bruno cresceram juntos e falou muito bem da família.

Continua....

Abraços e até mais...

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!!

Continuando...

                                   No Azul do Vinho

                                      Capítulo 23 

Os dias se arrastaram, por todos os problemas com a Construtora, para tristeza de Phina. 
Cris e Catarina faziam de tudo para animar Phina, e até a mãe de Phina, sra. Julieta, que quase nunca aparecia no escritório, ia buscá-la para almoçar e fazer compras, mas nada trazia a alegre Phina de volta.
Phina tentava obter informações de Bruno, quase todos os dias, mas não tinha sucesso.
Chegando para mais um dia de trabalho, após 5 meses desde sua chegada da Itália, encontrou Pedro que a esperava na recepção, muito agitado.
- Phina, começou Pedro, precisamos conversar.
- Algum problema com a construção?, disse ela bem profissional.
- Não, não. Me escute, podemos ir até sua sala?
Phina balançou a cabeça que sim.
- Não posso prosseguir com isso, falou Pedro bem nervoso, eu amo você, preciso de você, gosto da Luiza, mas não é amor, eu sei.
Phina interrompeu: - Me desculpe, mas você precisou de todos estes anos para descobrir que me amava? Só depois de iniciar a construção de sua casa e dos preparativos do casamento?
- Não!!, disse Pedro exaltado, já sabia há muito tempo, mas você não abriu a guarda, continuou como se nada tivesse acontecido entre nós, temos que ficar juntos, eu te amo!
Phina ficou sem jeito e até meio balançada com aquela declaração, afinal que mulher não gosta de ouvir tal declaração, faz muito bem para o ego, ela esperou tanto tempo por aquele momento, mas agora seu coração pertencia a outro, e Pedro ficou apenas como uma boa lembrança.

                                       Capítulo 24

- Pedro, você sabe que esperei muito por este momento, todos estes anos eu até sonhava com o dia em que você se declarasse desta maneira, mas você e Luiza pareciam tão felizes e apaixonados, que eu me afastei, para não interferir na vida de vocês. Mas hoje, sinceramente, conheci outra pessoa e mesmo não estando com ele, meu coração é dele, não conseguiria ficar com você desta maneira. Volte para Luiza, ela te ama e você também deve amá-la, só não se deu conta ainda, nossa história acabou anos atrás, não se engane você pode estar nervoso com os preparativos do casamento, sorriu para ele e o beijou no rosto, somos bons amigos.
- Mas Phina, sei que te amo, não faça isso com nosso amor, sei que você está zangada, quando papai me falou da casa, insisti que viéssemos ao seu escritório, pensei que fosse me procurar, eu sei que me ama, eu vi no dia em que nos reunimos para ver os projetos.
- Não achei que fosse tão mal caráter assim, disse Phina indignada, você veio aqui escolher sua casa com sua futura esposa, para me provocar? Que homem é você? Saía daqui Pedro e não me procure mais, estou apaixonada por outro, você se enganou, saía, ela já estava gritando.
- Eu te amo, insistiu Pedro quase implorando, não faça isso.
Phina pegou o telefone para chamar os seguranças, quando Cris já invadiu o escritório, com dois seguranças: - Ouvi a gritaria, e achei melhor entrar, tudo bem Phina?
- Por favor Pedro, vá embora não quero escândalo no meu trabalho, disse Phina.
E ele saiu seguido dos seguranças.
- Phina o que aconteceu?, perguntou Cris, você é tão recatada no trabalho.
Phina suspirou aliviada: - Você acredita que ele veio se declarar, dizendo que me ama, que não poderia continuar com o casamento, que esperou que eu tivesse alguma reação, quando vieram fazer os projetos da casa, pensar que esperei tanto tempo por isso, mas agora não faz mais sentido. 

Continua...

Abraços e até mais...

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!!
Como não estou conseguindo postar todos os dias, vou postar  mais capítulos, ok.
Quero agradecer a todos que estão visitando as postagens, e a todas as amigas que estão pedindo para eu postar logo os capítulos, e em especial a minha querida amiga Mary Avellar de Pindamonhangaba, que me disse que está acompanhando este "livro", se assim posso chamá-lo, pois não sou escritora, mas gosto de escrever, para mim é uma obra como as de artesanato que faço.

Continuando...

                                      No Azul do Vinho

                                        Capítulo 21

Por volta da 15 hrs, estavam todos reunidos e discutindo como resolver.
Phina saiu da reunião as 19 hrs, e pediu a Cris que chamasse um dos motoristas do escritório para levá-la ao hospital, queria ver pessoalmente os funcionários da Construtora.
E Cris questionou: - Mas não são seus funcionários, você não precisa fazer isso. Phina só a olhou, desaprovando seu comentário.
Phina chegou em casa por volta das 22 hrs, e pensou: que dia!!
E se deu conta, que não deixou recado algum para Bruno, mas no hotel disseram que já tinha voltado ao Brasil, segundo ele ao hotel.
Phina ligou para o Vicarello, perguntando se tinha algum recado para ela, já que saiu as pressas, e não foi a resposta.
Ela se sentiu tão triste, tão decepcionada com ela mesma.
Foi até a banheira, para tomar um banho relaxante, mas não conseguiu ficar nem 5 minutos.
Saiu e foi procurar na mala, a sua agenda com o telefone do sr. Giuseppe, para tentar localizar Bruno.
Abriu a mala e encontrou sua blusa branca manchada de azul, azul do vinho que Bruno fez, apertou a blusa contra o peito, e lágrimas começaram a rolar de seu rosto.
Phina não estava acreditando,a história estava se repetindo, só que desta vez ela sabia que era amor, amava aquele homem de uma maneira tão profunda, que não podia perdê-lo, iria fazer de tudo para reencontrá-lo.
Achou o telefone do sr. Giuseppe, mas não ligou, pois lá era de madrugada e não queria acordá-los.

                                        Capítulo 22

Phina levantou-se, pegou a blusa que estava ao seu lado e pendurou-a no closet. Desceu e encontrou com a sra. Luci, sua secretária na casa, ela era como uma tia avó para Phina, faziam muitos anos que ela estava com Phina.
As duas se abraçaram, pois como Phina deu folga aos funcionários da casa, enquanto estava viajando, e Luci percebeu que Phina tinha chorado, e lhe perguntou: - O que está acontecendo Nina?, ela a chamava assim.
Phina balançou a cabeça, e seus olhos já marejados, disse: - Nona, ela a chamava assim, aconteceu de novo, conheci o homem da minha vida e o deixei, saí as pressas da Itália, não me despedi e nem deixei recado, com todos os problemas no escritório, só me dei conta ontem, quando cheguei em casa, tentei localizá-lo e não consegui, e caiu no choro, soluçando e abraçou a Nona procurando aconchego.
- Não fique assim minha filha, disse Nona, se ele é o homem de sua vida, você o encontrará pode ter certeza, e enxugou as lágimas de Phina e a levou à mesa, para tomar o café.
Phina se arrumou para ir ao escritório, mas antes ligou para o sr. Giuseppe, que ficou muito feliz em falar com ela, e disse que faria de tudo, para saber o sobrenome e onde Bruno morava no Brasil, ela o agradeceu muito e se despediram.
E antes de sair para o escritório, Phina se despediu de Nona beijando-a na testa com muito carinho, e pediu a ela para não lavar a blusa branca manchada de vinho, que estava no closet.

Continuamos....

Abraços e até mais....

06 novembro 2013

No Azul do Vinho

Olá Meninas!!!

Continuando...

                                      No Azul do Vinho
                                      
                                          Capítulo 19

Phina amou o lugar e até dançaram. Bruno foi muito romântico, levando-a para ver o luar. Parou o carro próximo ao Castelo di Vicarello, abriu a porta do carro e estendeu-lhe a mão para ela descer, quando Phina olhou nem acreditou, as estrelas pareciam que iam cair em cima deles, era espetacular, sem palavras, a Lua crescente em todo seu esplendor parecendo que sorria em meio a todas as estrelas.
Ele a beijou apaixonadamente, e ela correspondeu com uma paixão que jamais havia sentido, se entregou para aquele momento.
Ele a abraçou e disse: - Quero me encontrar com você no Brasil, quando voltarmos, ela balançou a cabeça que sim e se aninhou em seus braços.
Bruno a levou até a porta do hotel, e combinaram de se verem bem cedo, para verem o nascer do sol em meio ao vale, e se despediram.
Quando ela entrou na recepção já a avisaram, que havia várias ligações do Brasil, todas urgentes.
Phina tinha esquecido de ligar, deveriam estar preocupados com ela, pensou.
Ela foi até seu quarto e ligou no número particular de Cris, não gostava de incomodar, mas era o único jeito naquele horário.
Cris atendeu e, quando ouviu que era Phina, começou a falar tão depressa que Phina não entendeu nada.

                                         Capítulo 20

Phina pediu pra Cris se acalmar e falar normal, então Cris disse: - Phina você tem que voltar agora, estamos com problemas sérios, uma das Construtoras não seguiu nosso programa de segurança e uma parte da construção do sr. Eduardo Mendes desabou, e feriu alguns funcionários, isso a dois dias e precisamos de você aqui, urgente.
Phina nem acreditou no acabou de ouvir, não conseguia nem falar com Cris, ficou chamando Phina, até que ela respondeu: - Vou pegar o primeiro voo  me aguarde. 
Desceu até a recepção e pediu para fecharem sua conta, e que fizessem a gentileza de marcar um voo imediatamente para o Brasil, ela tinha que voltar urgente.
Subiu arrumou suas malas, desceu, acertou tudo. O carro do hotel já a esperava, para levá-la ao aeroporto, era de madrugada.
Phina chegou ao Brasil por volta das 14 hrs, pegou um táxi, e foi direto ao escritório. Quando chegou seus funcionários se assustaram e Cris também.
Phina mandou chamar o jurídico urgente e os responsáveis pela Construtora para uma reunião imediatamente.
- Mas você nem me avisou que estava chegando?, disse Cris.
- Não temos tempo, vamos resolver esta situação, depois conversamos, disse Phina em tom autoritário, quero todos os relatórios.

Continuamos...

Abraços e até mais...